O bebê precisa de sol, mas controlar a incidência de luminosidade no quarto é importante para garantir um sono tranquilo e saudável.

Antes de escolher o modelo da cortina do quarto do bebê, é preciso conhecer bem o material a ser usado na confecção.

Os tecidos mais grossos e pesados, como sarja, algodão, seda e blackout devem ser usados quando o quartinho tem muita luz natural, mas podem deixar o local mais abafado.

As opções mais levinhas, como voal, linho e organza não inibem totalmente a entrada de luz, mas rendem um efeito mais delicado e suave, principalmente para realçar a vista externa.

As opções mais comuns de passantes para as cortinas do quarto do bebê, são:

- Passantes: Alças mais longas e que não dão o efeito sanfonado a cortina;
- Ilhoses: São os modelos com a cava de uma bolinha e por isso deixam a cortina com mais volume;
- Inteiriço: O passante é como se fosse uma única dobra, o que deixa o tecido mais esticadinho;
- Lacinhos: Fica bem delicado para quarto de bebê, pois são os laços seguram a cortina;
- Argolas: Sustentarão a cortina no varão, e é ideal para quem quer praticidade.

É preciso também, escolher entre os estilos de pregas:

- Deitada: Esse modelo tem pregas retas e dá bastante caimento ao tecido, que costuma ser mais grossinho;
- Macho: O detalhe é parecido com a prega deitada, só que há como um zigzag nas pregas, que dão caimento reto a cortina;
- Fêmea: Tem as pregas para trás, o que dá volume vindo do interior da cortina;
- Americana: Esse tipo de prega é um amontoado de tecido (tipo sanfona), o que deixa o tecido volumoso.

É imprescindível manter a cortina limpa, lavando-a com frequência para evitar alergias.